CATEGORIA ZOOM COTIDIANO

Ansiedade no caixa do supermercado

EU:
Enfio o carrinho no corredor do caixa e a coisa já começa.

Aquele frisson de tirar os produtos, colocá-los na esteira, dar bom dia pra moça, falar não 3 vezes pro cliente cadastrado, nota fiscal paulista, CPF na nota, abrir as sacolinhas de plástico que estão sempre grudadas, colocar os produtos planejando bem quem vai com quem na suruba da sacola, tentar achar a carteira na bolsa, pegar o cartão e já deixar a postos, passar o cartão enquanto ainda coloco produtos na sacola, tirar o cartão, tirar o carrinho do caminho do próximo cliente. Ufa!

Isso tudo sabendo que atrás de você tem aquela pessoa pensando em silêncio: vai, minha filha! Anda logo com isso. Tem produto aqui pra passar e você não acha a carteira, não sabia que tinha que pagar? Ela faz aquela cara de tranquilidade, condescendência, mas no fundo quer performance!

Ô vida difícil!

A CAIXA:
Há 7 anos trabalho em um caixa de supermercado aqui da Granja Viana. Lugar chiquetoso mas com um par de gente sem grana, bem, é o que eu acho. Depois conto das compras devolvidas no caixa…

O que impressiona é como as pessoas são iguais, pelo menos pra mim, que vejo todas do meu caixa.
Todos fazem as mesmas coisas. O careca das quintas, a mulher toda trabalhada na academia das segundas, a executiva nervoooosa, o todo simpático galinhão…

É, pra mim não é mole não.

Odeio isso: cliente cadastrado? CPF na nota, débito ou crédito? Pergunto essa sequência infernal pelo menos 75 vezes ao dia. Outra noite fui fazer uma brincadeira com meu marido, na hora H perguntei: CPF….Débito ou…Cliente cadastr….Ops, foi bem mal!

Bem, voltando…

Tem a controladora, que gosta de olhar para tela depois que eu digo o valor, como se fosse enxergar alguma coisa e fica com aquela cara de que tá fazendo conta. Tem o folgado, que finge que esqueceu de pesar os legumes, desse eu tenho raiva! Tem a coitadinha, que pega mais do que pode pagar e fica devolvendo as coisas com cara de: absurdo, tá muito caro! Tem a que não devolve o carrinho, larga no caminho e finge que ele é invisível.

Ai, meu Deus, lá vem a mulher da bolsa verde. Essa é de lascar. Por quê, por quê ela insiste nessa bolsa, essa bagunça ambulante onde não se acha nada! Toca esperar a chata achar a carteira. Tomara que a dona de trás faça aquela cara que eu adooooro. De limão. Ela fica aflita!

Mas até que ela é boazinha. Diz bom dia sorrindo, pesa as coisas como deve, já fala de cara não, não, não pra me poupar das perguntas, e tem uma filhinha que é uma graça!

Fala a verdade, vai. Não é assim com você também?

Momento tenso

0 comentário