CATEGORIA ZOOM COTIDIANO

Enxaqueca e outros ridículos

Não sei se vocês sabem, mas enxaquecosos são seres rastejantes, humilhados, dispostos a tudo pelo alívio imediato. Damos senha de banco, fazemos cartão da Renner, largamos o glúten e tudo mais que for preciso.

Respondendo à pergunta que você está fazendo agora. Sim, já fiz acupuntura, Pilates, Yoga, tomei homeopatia, florais de Bach, fiz massagem (uma delícia, mas no meu caso foi só isso), fui a 3 pais de santos diferentes. O último me chacoalhava todinha pra por as coisas da cabeça no lugar. Nada funcionou.

Semana passada  me resignei a procurar novamente um neurologista. Coisa que adio há anos. Mas em meio a uma crise inclemente, que já me maltratava há 3 dias, resolvi adiantar o expediente fazendo a pior coisa nessa situação: fui ao Google.

“Enxaqueca, alívio imediato”. Junto com a enxurrada de chás de gengibre (ah! Já tomei litros também), batatas geladas na testa e outras recomendações, surge ELE.

O salvador, o picareta,  que há 15 anos me prometeu a redenção, a cura, mediante alguns muitos mil reais e suspeitas injeções. E  que devolveu meu dinheiro na primeira ameaça de escândalo. Suspeito, não? E estava lá do mesmo jeitinho, pontificando, prometendo, seduzindo.

Lembrem-se do que falei: seres rastejantes….

Pois muito bem. Pensei, o cara é charlatão há tantos anos, tem que ter aprendido algo, não é possível. Ainda dá expediente no mesmo endereço. Merece crédito! Ainda por cima, menciona Harvard! Só tinha uma coisa ainda suspeita, ele dizia que o novo procedimento podia não dar certo de cara…

Já tinha tomado a decisão. Mandei a Laura, minha filha de 4 anos,  para fora do quarto e comecei o procedimento, que era simples e eficaz, como tudo na vida deve ser! Gostei.

Mergulhei chumaços de algodão em água gelada e fui enchendo a bochecha por dentro, até não poder mais. De quando em quando renovava a água gelada. Depois, coloquei pedaços de gelo na testa e apertei bem com um lenço estiloso que eu tenho.

Fiquei parecendo o Marlon Brando em Poderoso Chefão, por uns 30 minutos.

A dor só piorava. Eu já ia me encaminhando para o choro arrependido quando, morta de curiosidade, Laura abre a porta e vê a cena.

– Mãe, que brincadeira nova é essa?

Meia hora depois, meu chapa, meu amigo, o entregador da farmácia me traz o bom e velho Sumaxx.

Junto com o alívio, voltam a autoestima, senso crítico e a promessa de marcar logo um consulta.

 

0 comentário

 

A gaveta proibida

Férias de infância sempre rendem boas lembranças, mas duvido que a maioria tenha se iniciado na leitura erótica pelas mãos dos próprios avós, como foi o meu caso.

Não se assustem. Meus avós eram tão pudicos como os de vocês, mas tinham uma neta bisbilhoteira.

Nos idos de 80, havia um sistema de compras de livros por assinatura, uma espécie de Avon literária. Você escolhia os títulos pelas capas e por um breve resumo e a empresa enviava os livros pelo Correio. O máximo da conveniência para a época.

Meus avós eram ávidos leitores, assim como eu. Aos 10 anos eu lia sem parar. Ainda mais na casa deles, onde não havia muita saída.

As noites eram enfadonhas, pois a única alternativa era assistir todos os telejornais, um na sequência do outro, até decorar as notícias e ir dormir vencida pelo tédio. Meu avô General era visceralmente contra novelas da Globo, que considerava má influência.

Eu ia de suspense, romance, policial, ficção a autoajuda, lendo os livros que chegavam e que eram generosamente repassados por eles à neta mais nova, no caso, eu.

Acontece que esses não eram nem de longe os melhores livros. Os verdadeiramente interessantes ficavam bem guardados na gaveta do criado-mudo dos meus avós. Sim, cada um tinha a sua coleçãozinha privada.

Lá eu encontrava as estórias sensualmente provocantes de Bárbara Cartland, a quente coleção de Sidney Sheldon com suas cenas explícitas que eu compreendia apenas em parte e muitos outros livros como Lolita, de Wladimir Nabokov, O Amante, de Marguerite Duras, apenas para citar alguns dos quais me recordo pelo nome.

Era uma aventura. De dia, roubava um livro da pilha escondida na gaveta, à noite lia a obra na penumbra, apavorada, porque caso fosse pega seria meu fim. No dia seguinte, recolocava o livro na mesma posição memorizada rezando para que eles não percebessem.

Li muito nas férias, até que minha alegria acabou. O Círculo do Livro faliu e meus avós deixaram de lado a leitura, provavelmente já cansados das aventuras literárias.

Mas foi aí que a sorte sorriu pra mim.

Quando esperava que minhas incursões clandestinas houvessem chegado ao fim, elas recomeçaram muito melhor. Pela televisão.

Explico. Nas noites de sexta-feira eu podia ficar acordada até bem tarde. Nessas ocasiões, assistia filmes de terror na TV Record com minha mãe, que me acompanhava, já que eu tinha pavor de ficar sozinha com cabeças cortadas na geladeira, morros uivantes, castelos assombrados. Naquela época, terror era assim, mais ingênuo mesmo.

Assistimos juntas toda a série de filmes até que ganhei certa coragem e liberei minha mãe da tarefa de me acompanhar nas reprises que iriam começar.

Passaram-se algumas sextas-feiras assim, até que, sem mais nem menos, a emissora mudou a programação do horário, passando a veicular os clássicos da pornografia brasileira, no lendário programa Sala Especial.

Minha mãe ia dormir tranquila, achando que deixava sua filhinha assistindo filmes de terror, quando, na verdade, o que eu via mesmo era muito Hugo Carvana, Lilian Ramos, Vera Fischer, Nicole Puzzi, David Cardoso, Matilde Mastrangi, Aldine Muller, e claro, Sônia Braga aos borbotões.

Os filmes eram muito mais inocentes do que qualquer minissérie de hoje, mas eram o que se tinha de ousado para a época.

Isso durou uns bons meses, até que, descoberta por um irmão, fui delatada sem dó nem piedade, para nunca mais assistir a um só clássico pornô brasileiro.

1 comentário

 

O Karma atlético

Aos 47 anos sempre temos aquelas questões mal resolvidas, pendências kármicas que vamos empurrando na esperança de que o assunto caduque por falta de solução. Ou que a próxima vinda à Terra trate de resolver.

No meu caso, a preguiça, a total falta de vontade de malhar, ou, pelo menos, exercitar-me no nível mínimo exigido pelo consenso moderno é o problema.

Para entender o meu caso, que é grave, é preciso explicar minha linhagem genética. Tinha tudo para ser sarada, malhada, sequinha, pois venho de um pai atlético, instrutor de artes marciais e levantador de alteres (se falava assim na década de 70), quatro irmãos praticantes de tênis, corrida, futebol e outras modalidades esportivas. Infelizmente, saí à minha mãe e irmã, o oposto deles. E, meus amigos, quando se renega assim uma herança genética é porque a coisa dificilmente terá solução.

Não me faltaram tentativas ao longo da vida, é verdade. Mas fracassei em quase todas, e o pior, sem remorso.

No colégio, ainda criança (essa culpa minha mãe divide comigo) passei incólume pelos anos de educação física, com atestados vários, tipo de dedo do pé inflamado, orelha dormente, cotovelo latejante e por aí vai. Eu e mais um par de amigas que preferiam fofocar na rampa do Colégio Rio Branco, enquanto a turma suava no handball.

Aos 10 anos, meu pai me matriculou na ACM, em uma tentativa de me fazer chacoalhar o esqueleto, mas meu momento preferido era o lanchinho no final de aula, que eu aguardava ansiosa. Para mim, aquela hora perdida só se justificava pela recompensa calórica. Um tempo depois, diante da minha falta de entusiasmo, pude voltar feliz para as tardes preguiçosas em casa.

Fui indo assim, com a sorte de ter uma forma física que não me dava problemas até que aos 24 anos, trabalhando como executiva da Nestlé, recebi um folheto na porta do prédio da firma, que mudaria a minha vida. Sério, coisa do outro mundo.

Acompanhem comigo, o anúncio distribuído na Berrini, avenida repleta de empresas em São Paulo e coalhada de executivos bem vestidos, era muito claro: Ginástica Passiva, o equipamento faz a ginástica por você.

Tratava-se de um método francês, revolucionário, que acabava de chegar a São Paulo. Matriculei-me imediatamente, embora a mensalidade fosse bem salgada. Era o preço da mágica.

No dia da primeira sessão, fui para a academia (será mesmo esse o termo correto?) com minha roupa usual: saia, meia de seda, sapato, obviamente sem aquela coisa abominável de mochila com calça de malhação, tênis, toalha de banho e afins, afinal a parafernália não seria necessária.

Agora vem a parte que me indignou, a pergunta:
– Você não vai se trocar?
– Hã? Não, obrigada. Estou confortável.
Cara de espanto da recepcionista.

Deitei-me no equipamento, me ajeitando o melhor possível para o soninho pós almoço, sim, já havia almoçado, quando a instrutora chegou.
– E inspira, expira…

Perguntei:
– Que negócio é esse? Eu vim aqui para dormir e acordar com a coisa feita, calorias queimadas.

Saí da academia com meu dinheiro de volta.

Alguns anos depois, morando na Vila Madalena, aderi à caminhada. Agora sim, coisa de gente saudável de verdade. Nada de radicalismos, vai funcionar.

Nas primeiras semanas ia tudo bem, eu me dedicando, feliz por respirar o ar mais ou menos puro todo final de tarde.

Até que conheci o Caco. No começo a gente só se cruzava na esquina da casa onde ele morava. Trocava olhares e nada mais.

Achava aquela cor jambo, aqueles olhos caídos dele uma graça e me apaixonei no ato. Passei a ter um incentivo para sair de casa.

Depois de uns dias, rolou um olá e, a partir daí, minha disciplina foi prejudicada. Passei a caminhar somente dez minutos diários até a casa dele e a passar outros trinta trocando carinhos em plena rua.

Caco era um labrador chocolate que vivia sozinho em uma casa abandonada, sem uma alma viva, carente, em uma das esquinas da divisa entre Alto de Pinheiros e Vila Madalena.

A rotina de caminha passou a ser levar brinquedinhos, guloseimas e fazer carinhos pelo portão, sentada no banquinho que tomava emprestado do vigia.

Um belo dia, depois de semanas, ele se foi. Os donos malvados finalmente puseram a casa à venda e foram buscá-lo. Desisti da caminhada com o coração partido.

Ao longo dos anos, fiz algumas incursões até que razoáveis na Yoga, Pilates, até que aos 43 anos minha filhinha chegou.

Aí, gente, vocês sabem, fica I.M.P.O.S.S.Í.V.E.L malhar. Desde então, zero exercício.

Sei que tenho que voltar à ativa, os quase cinquenta mandam recado, mas talvez espere meu marido se animar.
Ah…já sei o que vocês podem estar pensando. Lá vem ela de novo com desculpas esfarrapadas.

0 comentário